terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Yehuda, uma autoridade com prazo de validade

Por Yochanan ben Avraham

Introdução:
No capítulo 49 de Bereshit (Gênesis), temos um dos trechos mais significativos de todo o Tanach (também conhecido com Velho Testamento), pois nele Ya’akov avinu (Ya’akov nosso pai), inspirado pela Ruach ha Kodesh (Espírito de Santidade), anuncia a seus filhos o que o futuro lhes reservava, ou seja, Ya’akov declarou uma profecia sobre o fim dos dias para todos os seus filhos, os filhos de Israel.

De todas as profecias deste capítulo, uma em especial nos chama a atenção, nos referimos à profecia dirigida a Yehudá. Nesta profecia é notória a proeminência deste sobre os demais, pois é dito no versículo 10 que o cetro não se afastará de Yehudá e nem a legislação de entre seus descendentes. Porém, (e é aí que se inicia uma grande revelação!), este dominar e legislar ao que parece, teria um “prazo de validade”...notemos o final do versículo 10: “...até que venha Shiló, e a ele a reunião de povos seguirá
Chaverim (amigos), é inegável o teor messiânico destas palavras, mas isso não é nenhuma novidade... mas se não é, o que chama a atenção então? O que chama a atenção são os detalhes que, não só a Torá, mas todo o Tanach nos dá sobre este personagem identificado aqui como “Shiló”, vejamos então:


1- QUEM É SHILÓ ?

Primeiramente, vejamos o que Rashi (Rabi Shlomo Yitzchak, comentarista da Torá 1040-1105) disse sobre Bereshit (Gênesis) 49.10:

“Não se afastará o cetro de Yehudá” = De David em diante.

“e os legisladores dentre seus pés” = São os lideres (nassi’im) de eretz (terra) Israel [os nassi’im eram os líderes do sanhedrin (sinédrio) composto por 71 shoftim (juízes)].

“Até que venha Shiló” = É o Rei Messias, que é o Reino.

“A Ele se ajuntarão os povos” = a Ele os ‘gentios’ seguirão.


Podemos ver nitidamente que a midrash de Rashi diz que Shiló é o Mashiach. Segundo o texto de Bereshit, o cetro não se afastaria de Yehudá e nem a legislação dentre seus pés (descendência), até que viesse Shiló.
Rashi diz que isso deve ser contado a partir de David e segundo a história Tzedekiah (Zedequias) descendente de David, filho de Yoshiyahu (Josias), foi o Último rei de Yehudá, mas quando foi levado por Nevuchadenetzar (Nabucodonosor) para a Babilônia como escravo, o cetro foi afastado de Yehudá. Mas a profecia diz que não se afastaria até que viesse Shiló. Depois do retorno dos yehudim (judeus) à Judéia, ainda existia o sanhedrin e esses eram os legisladores da época, e a eles eram levadas as causas de juízo do povo. Até a destruição do segundo Beit Ha Mikdash (Templo) ainda existiam os legisladores, mas com o exílio (gálut/diáspora) do povo, o sanhedrin (sinédrio) deixou de existir. Sendo assim, os legisladores da época foram afastados dentre os pés de Yehudá. Mas isso, só poderia acontecer após a vinda de Shiló (Mashiach)!!! Pois está escrito: “...até que venha Shiló (Mashiach)” então, se o cetro e a legislação foram retirados, onde está Shiló?? Poderíamos responder agora, mas vamos continuar o raciocínio...

Em Yeshayahu (Isaías) 22.20-22 está escrito:

“Naquele mesmo dia chamarei o meu servo Eliakim, filho de Hilkiyahu (Hilquias). Vesti-lo-ei com a tua túnica, cingi-lo-ei com o teu cinto, porei em suas mãos as tuas funções; ele será um pai para os habitantes de Yerushalayim e para a casa de Yehudá. Porei sobre seus ombros a chave da casa de David: quando ele abrir, ninguém fechará; quando ele fechar ninguém abrirá.”

Conforme é instruído em Devarim 17.14 em diante, o rei de Israel receberia a incumbência de legislar a Torá. E no texto de Yeshayahu que acabamos de ler, vimos esta autoridade sendo outorgada a Eliakim. Agora, compare isto com Matitiyahu (Mateus) 16. 18 e 19, e perceba o seguinte: chave de David (do Reino) é sinônimo de autoridade para legislar, ou seja, autoridade para fazer halachá. E esta autoridade que era reconhecida por Yeshua ben Yossef, conforme pode ser verificado em Matitiyahu 5.22, foi entregue a seus talmidim (discípulos)!

A última frase do versículo 10 de Bereshit 49 diz que os ‘goym’ (estrangeiros) iriam seguir a Shiló. Pergunto: “Quem foi certo Judeu, que trouxe uma nova halachá (interpretação/legislação) a Torá e passou a ser seguido por milhares de estrangeiros?? Bem, O cetro já passou de Yehudá a tempos, a legislação também e isso só aconteceria após a chegada de Shiló, será que algum personagem na história preenche estes requisitos?

Vejamos agora Bereshit 49.11 combinado com Zechariyah (Zacarias) 9.9 e leiamos Matitiyahu (Mateus) 21.1-11. Será que isso significa alguma coisa importante?

Compare também Yeshayahu 8.6 com Yochanan 9.7 e perceba que Yehudá rejeitaria o Enviado. Voltando a pergunta feita anteriormente, acrescente mais essa: Que judeu, após pregar a Teshuvá (arrependimento) ao seu povo, foi rejeitado?


2-ROUPA E O MANTO LAVADO NO SANGUE DAS UVAS

Outra característica peculiar de Shiló, está no fato dele ter suas vestes lavadas no vinho (sangue das uvas), no Tanach, mais precisamente no sefer Yeshayahu ha navi (livro de Isaías o profeta) temos outra profecia muito semelhante, vejamos:

“Quem é este que vem de Edom, de Bosra com vestes fulgurantes, que vem majestoso no seu traje, marchando na plenitude do seu vigor? ‘Sou EU, que promovo a justiça, que sou poderoso para salvar’. E por que essa cor vermelha no teu traje? Por que as tuas vestes se parecem com as de alguém que tenha pisado a uva no lagar?” (Yeshayahu 63.1 e 2)

Neste trecho, além de vermos uma nítida associação com Shiló (Mashiach), temos um elemento a mais, pois este que vem como quem pisou uvas no lagar é o próprio YHWH. E na história, apenas uma pessoa teve coragem suficiente para afirmar ser um com o Criador. A beleza das escrituras pode ser admirada mais ainda se compararmos estes textos (Bereshit 49.11; Yeshayahu 63.1,2) com Guilyana (Apocalipse) 19. 11-13.


3- PROFECIA PARA O FIM DOS DIAS

Ya’akov foi bem específico acerca do tempo em que suas palavras iriam se cumprir, no fim dos dias. Então, obviamente, o período seria bem posterior aos seus filhos sendo destinada a muitas gerações após eles. Sendo assim, voltando-nos para o termo “fim dos dias”, podemos encontrar diversas palavras destinadas a esse período revelando acontecimentos que elucidariam muitas questões.

Um dos acontecimentos reservado para o fim dos dias que se encaixa perfeitamente na profecia de Ya’akov em Bereshit 49.10 encontra se no sefer Oshea ha navi (livro de Oséias o Profeta) 3.5, um livro que trata com detalhes a questão da divisão e restauração do Reino de Israel (12 tribos). Houve um período na história de Israel, mais precisamente no ano 921 AEC, que o Reino se dividiu em Yehudá, reino do sul composto por Yehudá e Binyamin (Benjamim) e Israel (ou Efraim), reino do norte composto pelas 10 tribos restantes que seguiram a Yerovan I (Jeroboão I) como pode ser verificado em melachim alef (1º Reis)12.16-19. Estas dez tribos foram assimiladas pelas nações estrangeiras (ver Oshea 7.8), perderam suas características israelitas, seu idioma, sua Fé e etc. E passaram a ser conhecidas historicamente como as ovelhas perdidas da casa de Israel (Efraim). Sendo considerados, inclusive, como goym (estrangeiros). Com isso em mente leiamos Matitiyahu 15.24, (sem perder Bereshit 49.10 de vista!) e façamos as seguintes perguntas:

1ª) Quando Shiló viria?

2ª) Até quando Yehudá dominaria?

3ª) Quem o seguiria ?

4ª) Quando Efraim (multidão de povos) retornaria a YHWH ?

5º) Quem são as ovelhas perdidas da casa de Israel ?

Eis as respostas:

1ª) Shiló viria no fim dos dias

2ª) Até que Shiló chegasse

3ª) Os ‘gentios’

4ª) No final dos dias

5ª) Efraim (10 tribos do norte)

Após este pequeno questionário, espero que possamos perceber que Yeshua é o Shiló anunciado pela Torá, pois é Ele quem recebeu toda autoridade sobre o céu e sobre a terra. Portanto, é à sua halachá (legislação) que devemos nos submeter.

Conclusão:
 Não devemos nos deixar levar pela a halachá de quem já não tem mais autoridade para tal, pois ao negarem o Mashiach, não possuem condição de instruir a ninguém na verdade, pois como disse Yeshayahu o profeta:

“Então YHWH, em um só dia, decepou de Israel cabeça e cauda, palma e junco. (o zaken (ancião) e o dignatário são a cabeça, o profeta que ensina a mentira é a cauda.) Os condutores deste povo o desencaminham; assim os seus conduzidos estão transviados.”(Yeshayahu 9.13-15)

Desde um passado remoto, o Eterno tem advertido o povo a não se desviar de sua Torá, mas aqueles que deveriam instruir na verdade, acrescentaram mandamentos com uma suposta Torá oral, desprezando a própria Torá escrita (Ler D’varim (Deuteronômio) 4.2) sincretizaram mandamentos com costumes pagãos, absorveram o misticismo pagão, adaptaram a Torá escrita às diversas superstições adquiridas nas diversas diásporas. Não é a toa que o Eterno levantou o Yirmeyahu ha navi para dizer:

“Assim disse YHWH:
Parai sobre os vossos caminhos e vede, perguntai sobre as sendas de outrora: qual era o caminho do bem? Caminhai nele! Então alcançareis repouso para vós.” (Yirmeyahu 6.16)

Esta senda de outrora, o caminho do bem pode ser identificada nesta seguinte citação:

Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vossas almas, pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Matitiyahu 11.28-30).


Um comentário:

  1. Muito bom, gostaria de ter um contato com vocês, estou isolado em Bragança Paulista SP e imagino que possam me ajudar a encontrar outros nazarenos por aqui

    ResponderExcluir