sábado, 26 de abril de 2014

Teria Yeshua transgredido a Lei do Shabat?

Por Yochanan ben Avraham

Introdução.

Regularmente aparece alguém acusando Yeshua de ter quebrado o Shabat por causa de suas ações no sagrado dia. Diversos textos do chamado “Novo Testamento” são citados para provarem o delito do jovem Rabino da Galileia e em função disto, tentar desmoralizar tanto sua pessoa quanto seus ensinamentos. Este pequeno artigo se propõe a mostrar o outro lado da história e convidar o leitor para uma reflexão se o que se diz e verdade ou mero desconhecimento do que diz as escrituras.

Onde estão as Provas?

Os textos e as acusações citadas como prova de que Yeshua era um transgressor estão detalhados na tabela abaixo:

Textos
Acusação
Matitiyahu (Mateus) 12. 1-2
Colher espigas e comer. (Rep. Mc 3; Lc 6)
Matitiyahu (Mateus) 12. 9-14           
Curar (evento repetido em Mc 3 e Lc 6)
Lucas 13. 10-17
Curar
Lucas 14. 1-6
Curar
Yochanan (João) 5. 6-18
Curar
Yochanan (João) 7. 19-24
Curar
Yochanan (João) 9. 13-23
Curar

Das sete acusações, seis foram por causa de curas efetuadas no Shabat, algumas delas dentro de sinagogas e apenas uma por colher espigas e comer. Vamos consultar a Torah para saber o que diz o mandamento para avaliarmos a situação:

Lembra-te do dia do sábado, para o santificar.
Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.
Mas o sétimo dia é o sábado de YHWH teu Elohim; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas.
Porque em seis dias fez YHWH os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou YHWH o dia do sábado, e o santificou.
(Shemot/Êxodo 20.8-12)

Portanto guardareis o sábado, porque santo é para vós; aquele que o profanar certamente morrerá; porque qualquer que nele fizer alguma obra, aquela alma será eliminada do meio do seu povo.
Seis dias se trabalhará, porém o sétimo dia é o sábado do descanso, santo ao Senhor; qualquer que no dia do sábado fizer algum trabalho, certamente morrerá.
Guardarão, pois, o sábado os filhos de Israel, celebrando-o nas suas gerações por aliança perpétua.
Entre mim e os filhos de Israel será um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, e ao sétimo dia descansou, e restaurou-se.
(Shemot/Êxodo 31.14-18)

Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou YHWH teu Elohim.
Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho.
Mas o sétimo dia é o sábado de YHWH teu Elohim; não farás nenhum trabalho nele, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o estrangeiro que está dentro de tuas portas; para que o teu servo e a tua serva descansem como tu;
Porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito, e que YHWH teu Elohim te tirou dali com mão forte e braço estendido; por isso YHWH teu Elohim te ordenou que guardasses o dia de sábado.
(D’varim/Deuteronômio 5.12-15)

Como vimos a ordem de não profanarmos o Shabat com NOSSOS trabalhos é explicita. Agora vejamos outro texto na Torah para continuarmos nosso exame da questão:

Porém, no dia de sábado, oferecerás dois cordeiros de um ano, sem defeito, e duas décimas de flor de farinha, misturada com azeite, em oferta de alimentos, com a sua libação.
Holocausto é de cada sábado, além do holocausto contínuo, e a sua libação.
(Bamidbar/Números 28.9-10)

O Eterno ordenou aos filhos de Israel que não fizéssemos trabalho no Shabat e depois ordena aos mesmos filhos de Israel oferecer sacrifícios e oblações... No Shabat?! Este é o ponto! Evidentemente para que os sacrifícios e libações do ritual do holocausto fossem realizados, o fogo era aceso, trabalhos eram realizados... Inclusive no Shabat! Mas estes trabalhos não eram um trabalho qualquer, não eram NOSSOS trabalhos, mas um “Avodat HaShem” (Serviço ao Eterno). Isto significa que trabalhos que visam a glorificação do Sagrado, (Bendito seja Ele) e a elevação espiritual de todos que estão envolvidos no serviço são lícitos. Foi isso que Rabi Yeshua HaNotzri dizia a todos que questionavam suas ações. A realização de uma cura milagrosa não glorifica o Nome do Eterno? Não eleva o espírito daqueles que presenciam um milagre? Isto não é um “Avodat HaShem”?
Responda a si mesmo.

O Shabat é um dia para estarmos diante do Eterno, envolvidos com o “Avodat HaShem”, buscando a glorificação do Seu Nome e a elevação do nosso espírito, por isso o profeta Yeshayahu exclamou:

Se desviares o teu pé do sábado, de fazeres a tua vontade no meu santo dia, e chamares ao sábado deleitoso, e o santo dia do Senhor, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, nem pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falares as tuas próprias palavras,
Então te deleitarás no Senhor, e te farei cavalgar sobre as alturas da terra, e te sustentarei com a herança de teu pai Jacó; porque a boca do Senhor o disse.
(Yeshayahu/Isaías 58.13-14)

Alguém ainda poderia dizer: “Tudo bem, curar no Shabat não é uma transgressão... Mas eles colheram espigas no Shabat!” Se os talmidim (discípulos) e o próprio Yeshua fossem agricultores, eu me calaria e admitiria a acusação como procedente, mas eles eram em sua maioria pescadores, havia um cobrador de impostos e Yeshua era carpinteiro e pelo que consta, nenhum deles era agricultor. Sendo assim, a ação executada por eles não tinha nenhuma relação com o oficio ordinário de um agricultor! O que eles fizeram equivaleria a você está passando por um pomar e por estar com fome colher uma fruta e comer, ou ainda, abrir a porta da dispensa e abrir uma embalagem de pão ou coisa parecida para comer. Dizer que isso é violar o Shabat e querer “peneirar vento”.

Uma questão de Halacha.

Muitos que têm se chegado ao Elohim Verdadeiro, lamentam e dizem que gostariam muito de observar o Shabat, mas é tão difícil que acabam desistindo do processo de Teshuvah (Retorno), muitos destes acabam contraindo um complexo de inferioridade terrível que corrói sua alma. Isso tudo porque ao invés de lhe ensinarem o que realmente diz a Torah, criaram regras sobre regras:

Quando deres ouvidos à voz de YHWH teu Elohim, guardando os seus mandamentos e os seus estatutos, escritos neste livro da lei, quando te converteres a YHWH teu Elohim com todo o teu coração, e com toda a tua alma.
Porque este mandamento, que hoje te ordeno, não te é encoberto, e tampouco está longe de ti.
Não está nos céus, para dizeres: Quem subirá por nós aos céus, que no-lo traga, e no-lo faça ouvir, para que o cumpramos?
Nem tampouco está além do mar, para dizeres: Quem passará por nós além do mar, para que no-lo traga, e no-lo faça ouvir, para que o cumpramos?
Porque esta palavra está mui perto de ti, na tua boca, e no teu coração, para a cumprires.
(D’varim/Deuteronômio 30.10-14)

E ainda um testemunho dos primeiros Séculos desta era:

Nisto conhecemos que amamos os filhos de Elohim, quando amamos a Elohim e guardamos os seus mandamentos.
Porque este é o amor de Elohim: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados.
(Yochanan alef/1 João 5.2-3)

Se os mandamentos estão próximos e não são pesados, por que se tornou tão difícil observá-los? Infelizmente, ao longo dos séculos, muitas regras extra-bíblicas fora sendo observadas e ganharam status de Lei.
Existe uma palavra chamada “Halacha” que significa “caminhar a pé” ou simplesmente “caminhar”. É um termo utilizado como forma de expressar algo do tipo: “como caminhar dentro da Torah”.  Estas regras elevaram tradições e costumes de tal maneira que passaram a ser encaradas como Lei, ao ponto de muitos que não conhecem estes detalhes, considerarem que a Torah é um fardo pesado... O que não é verdade.

A história possui registros dos Séculos I e X, de grupos que questionaram estas práticas, como os Notzrim (Nazarenos) e os Karaim (Caraitas) como podemos constatar abaixo:

 Então chegaram ao pé de Yeshua uns escribas e fariseus de Jerusalém, dizendo:Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? pois não lavam as mãos quando comem pão.
Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Por que transgredis vós, também, o mandamento de Elohim pela vossa tradição?
Porque Elohim ordenou, dizendo: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser ao pai ou à mãe, certamente morrerá.
Mas vós dizeis: Qualquer que disser ao pai ou à mãe: É oferta ao Senhor o que poderias aproveitar de mim; esse não precisa honrar nem a seu pai nem a sua mãe,
E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Elohim.
(Matitiyahu/Mateus 15.1-6)

E, havendo grande contenda, levantou-se Kefah(Pedro) e disse-lhes: Homens irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Elohim me elegeu dentre nós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho, e cressem.
E Elohim, que conhece os corações, lhes deu testemunho, dando-lhes o Espírito Santo, assim como também a nós;
E não fez diferença alguma entre eles e nós, purificando os seus corações pela fé.
Agora, pois, por que tentais a Elohim, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar?
(Ma’assei HaShlichim/Atos dos Apóstolos 15.7-10)

Por vocês eu chamo, ó homens, escutai as minhas palavras explícitas.
Reforçadas, folheadas, envelopadas, e vestidas com provas tão sólidas como ônix e safira.
Quando eu estava na idade de vaidade, Eu procurei o caminho certo para o meu curso,
que eu pudesse aprender, bem como ensinar, no meio da minha congregação caraíta.
E busquei para limpar as pedras do meu caminho.
Eu era um estranho em uma terra estrangeira, investigando e pesquisando os caminhos do Direito. E eu vi no meio da congregação judaica Um homem [Sa'adiah] desprovido de um bom coração e afastando-se da justiça.
Ele curvou o arco para escrever queixas e, para protestar em todas as línguas,
Para rasgar estradas melhoradas e para perverter com bobagens e ninharias ao caminho do entendimento.
Eu entendi o seu propósito e foi superado com apreensão, e a minha ira se acendeu como um fogo ardente; e eu estava tomado de zelo pelos filhos de Judá,
E para o Todo-Poderoso, e para o Livro do Testemunho.
E eu estava com medo do Dia do Juízo Final e da Retribuição, porque a Sua ira deve queimar com raiva.
Portanto, eu compus uma réplica dupla contra ele, Na linguagem de Eber [hebraico], e também no dos filhos de Dumah [árabe].
Este será o meu consolo no meu exílio, que existem homens instruídos para investigar as minhas palavras de forma justa, que vão saber que eu falo de zelo por Elohim, para que as pessoas da minha congregação não sejam desviadas.
Ele (Sa’adiah) fez um enganoso discurso, afirmando que o Todo-Poderoso escolheu para revelar-se a Moisés no Monte Sinai, para dar-lhe duas leis para o seu povo escolhido.
Os mandamentos da Lei de uma foram estabelecidos por escrito, enquanto os mandamentos da outra foram dadas oralmente. Além disso, ambas seriam para a eternidade...Meu espírito aconselhou-me a responder-lhe neste assunto, e para colocar a minha resposta... Em uma carta, escrita, A fim de remover a pedra de tropeço, e para limpar o caminho destas pedras, para que o rebanho de Israel não se desviasse para o deserto sem água da heresia...
(Trechos do Sefer Milchamot YHWH, de Salmon ben Yeruham; Séc. X)

A “Halacha” de Rabi Yeshua deixou claro que fazer o bem no Shabat, ou seja, o “Avodat HaShem” não é uma transgressão. Ele, inclusive, demonstrava preocupação para que seus talmidim (discípulos) não transgredissem o quarto mandamento:

 E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado;
(Matitiyahu/Mateus 24.20)

Lembrando o que disse Yeshayahu (Isaías), no dia de Shabat devemos nos abster de viagens e de cuidar de nossas coisas, e talvez por isso Yeshua orientou seus talmidim (discípulos) a rezarem desta forma.

Conclusão.

Poderíamos ainda citar o costume do Rabi Yeshua e, posteriormente seus talmidim, de estarem a cada shabat nas sinagogas, mas cremos que isso seria redundante, pois ao constatarmos que ele era observante deste mandamento não seria necessário ampliarmos mais este pequeno estudo. Portanto a acusação de que Yeshua transgredia o Shabat é, na verdade uma transgressão do nono mandamento:

Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
(D’varim/Deuteronômio 5.20)

Encerramos este artigo dizendo que aqueles que fizeram tal acusação podem retirá-las sem maiores danos, pois Elohim é poderoso para perdoar.


Shavua Tov (Boa Semana)!!!

2 comentários:

  1. Blog encantador,gostei do que vi e li,e desde já lhe dou os parabéns,
    também agradeço por partilhar o seu saber, se achar que merece a pena visitar o Peregrino E Servo,
    também se desejar faça parte dos meus amigos virtuais faça-o
    de maneira a que possa encontrar o seu blog,para que possa seguir também o seu blog.
    Deixo os meus cumprimentos, e muita paz.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Antônio Batalha, Shalom.
      Primeiramente agradeço suas gentis palavras acerca deste Blog, e para mim será um prazer participar de seu círculo de amigos, ainda que virtualmente, certamente estarei visitando o "Peregrino e Servo" para estreitarmos as relações.
      Que O Eterno te abençoe.

      Yochanan ben Avraham

      Excluir